De Roy Andersson, Alemanha, participando do festival de Cannes. Composto de vinhetas em quadro fixo, o filme observa o comportamento humano. Sem seguir uma estrutura tradicional, a narrativa acompanha homens e mulheres que vivem situações banais e repetitivas do cotidiano. Do homem bom ao miserável, da alegria ao sofrimento, da autoconfiança à ansiedade. Desta forma, vemos uma garota apaixonada, empresários, donas de casa, criminosos, bêbados… Oscilando entre seus sonhos e a realidade, eles estão condenados à incomunicabilidade.

Crítica?

Filosofia se tornando arte, e arte cinematográfica se tornando filosofia. Modificando uma das frases de Bernardo Bertolucci, diria: "O cinema é uma das vias que conduzem o homem à realidade", frase de questão crucial para análise e crítica desse filme.

Filosófico, depressivo, irônico e principalmente critico. Não sei até que ponto poderia denominar niilista, pois se analisarmos de outro ponto de vista, podemos observar a teoria de Hegel no roteiro, da qual seria: tese, antitese e síntese (Dialética).

Embora seja filosófico e possa atrair uma boa demanda de cinéfilos, o filme aparentemente é confuso. A ideia principal provavelmente do diretor, é a de fazer o telespectador pensar, isso é, o diretor utilizou o método socrático no filme.

Em uma linguagem um pouco menos filosófica, o filme é caracterizado principalmente por várias vinhetas, cada uma com um tema se conectando ao outro, algumas coisas parecem sem sentido, monólogos absurdos, diálogos sem pé e sem cabeça, e personagens bem excêntricos.

Apesar de toda a "maluquice" aparente, o filme aborda vários temas críticos e existenciais. A interpretação, deixo com vocês, devo confessar que uma critica maior sobre esse filme, seria até insensato, já que o longa é niilista e trivial.

Acredito que a ausência aparente de sentido de "Vocês, Os Vivos" faz todo o sentido. (Ausência de sentido, faz ter um sentido, pois o sentido seria de não ter sentido.)

Conclusão final: Filme bom para cinéfilos.Faz honra ao blog, instiga à mente, ajuda na filosofia, choca à ética e além de tudo, mostra o que cinema "cult" pode fazer.

"As pessoas são exigentes demais"

Ogata Ogara

Download

Meu Twitter

About this blog

Blog formado por estudantes abordando temas culturais como cinema, filosofia, música, tecnologia, arte, etc.

Labels

Que tipo de posts mais te interessa ?

Que tipo de filme você mais gosta ?

Search

Blog archive

Google+ Badge

Popular Posts

Ocorreu um erro neste gadget

Blog Archive