Depois ter passado um bom tempo caçando o Abecedário do Deleuze, consegui achar no youtube legendado e na íntegra, isso mesmo, na INTEGRA, o documentário que Deleuze aborda uma série de temas a respeito de cada letra e palavra. O documentário é longo, isso é, 9 horas de documentário, 9 horas aproximadamente de filosofia, 9 horas que não serão perdidas. Enjoy.


Texto por Veronica Damasceno que achei muito interessante. Vale destacar que é um texto acadêmico, requer um conhecimento prévio acerca de Deleuze.



As potências que encerram a vida remontam a um princípio de extrema importância
para o pensamento, mas ainda pouco explorado por parte da filosofia
contemporânea. Trata-se do princípio de individuação. Encontramos em
Gilbert Simondon um estudo desse princípio e uma teoria profundamente original
da individuação, capazes de nos lançar novos desafios e de promover
novos modos de pensar esse problema. O princípio de individuação encontra
eco no pensamento de Deleuze, que o aproxima de conceitos como: diferença,
sujeito larvar ou embrionário e corpo sem órgãos. Todos esses conceitos, caros
ao pensamento de Deleuze, aludem ao campo intensivo pré-individual. Pretendemos,
nos limites dessas notas, introduzir o princípio de individuação de
Simondon e algumas das ressonâncias que se produziram, a partir desse princípio,
na filosofia de Deleuze.

O Princípio de Individuação de Simondon

Tudo parece ter início na recusa de Simondon à concepção monista e
substancialista do ser e ao dualismo hilemórfico do indivíduo1 . O monismo
substancialista pressupõe que o ser corresponde a uma unidade atômica, constituída
de um núcleo de permanência estável, que resiste e subsiste por si só.
Segundo o dualismo hilemórfico, o indivíduo é o resultado ou o composto
engendrado pelo par matéria/ forma.
Todavia, tanto o monismo substancialista quanto o esquema bipolar
hilemórfico parecem pressupor a existência de um princípio de individuaçãoque antecede o próprio processo de individuação, sendo, pois, capaz de explicálo
de antemão. Trata-se, para essas duas correntes filosóficas, de buscar o
princípio de individuação a partir do próprio indivíduo já constituído e dado.

A subversão que Simondon promove na investigação da gênese do indivíduo
consiste em recusar o indivíduo já constituído e o real individuado como
ponto de partida para explicação dessa gênese. Trata-se, antes, de buscar a
gênese do indivíduo no princípio de individuação, já que nem o atomismo
substancialista, nem a doutrina hilemórfica fornecem a descrição completa da
ontogênese do composto.

Para o atomismo, a gênese do composto é um corpo vivo, uma unidade
precária e perecível, resultante de um encontro devido ao acaso, que se dissolve
toda vez que a unidade do composto é atingida por uma força maior
que a coesão de seus átomos.

O esquema hilemórfico pressupõe que o indivíduo resulta da conjugação
da matéria e da forma, e que o ser é um composto (sinolon)2 . Nesse caso, o
princípio de individuação, ao invés de ser apreendido na própria operação de
individuação, apóia-se sobre a matéria e a forma de que esta operação necessita
para poder existir. Isso ocorre porque o princípio é pressuposto como
estando presente na matéria ou na forma e porque se subentende que a operação
de individuação não é capaz de produzir seu próprio princípio, mas
somente de empregá-lo. Para Simondon, entretanto, não assistimos a
ontogênese em nenhum dos casos porque: “nos colocamos sempre antes dessa
tomada de forma que é a ontogênese” (Simondon, 1964, p. 03).
Segundo Hottois, a crítica de Simondon ao hilemorfismo constitui o cerne
de sua concepção da individuação em devir. Esta crítica se desenvolve ao
longo de sua exposição, do princípio de individuação, e reside na desmontagem
da metafísica dualista que atravessa a história da filosofia. Em razão disso,
afirma Hottois:
O erro do hilemorfismo seria o de negar a realidade do devir ao pensar o real a
partir do indivíduo constituído, assimilado a uma essência, ou a uma substância
imutável, sem gênese verdadeira nem porvir autêntico (Hottois, 1993, p.34).

Em Platão, por exemplo, a forma define-se segundo uma essência ideal
separada radicalmente da matéria3 . Do mesmo modo como a entelecheia queage na matéria, em
Aristóteles, permanece-lhe exterior. O destino da forma,
em ambos os pensadores, parece ser único: encarnar-se na matéria. Desse
modo, a relação que mantêm a forma e a matéria é sempre de exterioridade.
De onde provêm os problemas conhecidos do dualismo, que é incapaz de
pensar juntamente o que ele inicialmente separou.
Ao invés de pensar a gênese do indivíduo como resultado da encarnação
da forma na matéria, é preciso compreender, antes, que o indivíduo em sua
gênese e realidade efetivas decorre do próprio processo de individuação, isto
é, da operação de individuação e não de dois termos separados artificialmente
que só poderiam ser pensados, por causa dessa cisão, de maneira exterior e
abstrata. Desse modo, o princípio de individuação passa a ter prioridade sobre
as noções de forma e de matéria. Em outras palavras, na medida em que a
ontologia se apresenta repleta de dualismos é preciso que se pense a anterioridade
da ontogênese sobre ela.
Considerando a realidade dessa operação de individuar, percebe-se a
irrealidade e o caráter abstrato das concepções hilemórficas. Para Simondon
uma forma pura e uma matéria amorfa não existem, pois a individuação exige
a materialidade da forma, como uma moldagem ou uma modelagem. Nesse
sentido, afirma Hottois: “O molde é muito real: ele próprio é o produto provisoriamente
estável e, em certas condições, estruturante-individuante, de um
processo de individuação” (Hottois, 1993, p.36). A materialidade da forma
significa que o molde não é um arquétipo puro e universal e que a matéria
não é totalmente amorfa, já que ela se apresenta relativamente informada (informação
potencial) e, portanto, suscetível de ser informada novamente em
função de suas próprias virtualidades.
Que a pesquisa do princípio de individuação seja realizada antes ou depois
da individuação, segundo o modelo biológico ou técnico para o
hilemorfismo, ou segundo o modelo físico para o atomismo, nos dois casos
há uma zona obscura recobrindo a operação de individuar. Ao invés desta
operação ser considerada como aquilo que explica a individuação, ela é, ao
contrário, considerada como coisa a explicar, de onde surge a necessidade de
um princípio de individuação.
Assim considerado, o princípio de individuação pressupõe uma sucessão
temporal, na qual esse princípio realiza a operação de individuação até o
surgimento do indivíduo vivo. A individuação produz o indivíduo e faz parte
de todo o processo, isto é, desde o pré-individual até o indivíduo constituído.
Caso contrário, iríamos diretamente da individuação ao indivíduo,
desconsiderando a ontogênese em todo o seu desdobramento e atribuindo a
individuação ao indivíduo.

Simondon pretende efetuar uma reversão na investigação do princípio de
individuação, de tal modo que a operação de individuação possa explicar
como o indivíduo vem a existir, ao mesmo tempo em que lança luz sobre todo
o desdobramento do processo de individuação. Em razão disso, o indivíduo
passa a ser tomado como uma realidade relativa, uma determinada fase do
ser, dependente da realidade pré-individual anterior a ele. Mesmo após sua
individuação o indivíduo não existe só, pois o processo de individuação não
esgota todos os potenciais da realidade pré-individual de uma só vez.

Aquilo que a individuação faz aparecer para além do indivíduo é o par
indivíduo-meio. O meio não é necessariamente uniforme e homogêneo, mas
como sugere Simondon: “...o meio é atravessado por uma tensão entre duas
ordens de grandeza que mediatiza o indivíduo quando ele vem a ser”
(Simondon, 1964, p. 04). Desse modo, o indivíduo, que não é o ser em sua
totalidade, é tão-somente o resultado relativo de um estado do ser no qual
não existia antes nem como indivíduo, nem como princípio de individuação.
Então, a individuação só pode ser chamada de ontogenética quando é
operação de individuar o ser em sua totalidade. Quando a individuação manifesta-
se em um sistema que compreende potenciais, e é incompatível com
certas forças de tensão e de interação entre termos extremos das dimensões,
ela deve ser considerada como resolução parcial e relativa.

A ontogênese deve ser tomada em seu sentido pleno: o ser deve, portanto,
exprimir o devir. Para Simondon, a relação ser-devir expressa a defasagem do
ser em relação a si próprio e sua resolução provisória em uma determinada
fase. No ser pré-individual não há fases. Mas, no ser onde se dá uma operação
de individuar há resolução provisória nas sucessivas fases, isto é, a resolução
surge no seio da repartição em fase. O devir é, antes de tudo, uma dimensão
do ser, dimensão do modo de resolução de potencialidades e de suas incompatibilidades
iniciais.

A individuação diz respeito à aparição de fases no ser. Ela não é uma
conseqüência que se deposita na borda do devir e que se isola, mas a própria
operação enquanto efetuação. A individuação surge de uma supersaturação
inicial do ser homogêneo e sem devir que, a seguir, estrutura-se e devém,
fazendo surgir indivíduo e meio, a partir do devir que é resolução e conservação
das primeiras tensões ou tendências sob a forma de estrutura.

Na individuação, o ser é pensado como sistema tensionado, supersaturado,
acima do nível da unidade e não como substância, matéria ou forma. O ser
não se constitui somente em si mesmo e não é pensado pelo princípio do
terceiro excluído. O ser pré-individual, o ser completo ou ser concreto é mais
que unidade. A unidade e a identidade aplicam-se somente a uma das fases
do ser, isto é, a uma fase posterior ao processo de individuação. A unidade e
a identidade não ajudam a conhecer o princípio de individuação, pois não se
aplicam à ontogênese, ou ao devir do ser, ao ser que se desdobra e se defasa ao
individuar-se.
Simondon presume que a individuação ainda não fora pensada e descrita
de forma adequada porque o equilíbrio estável era a única forma de equilíbrio
que se conhecia até então. Para Simondon, o equilíbrio estável exclui o devir
porque ele corresponde ao nível mais baixo de energia potencial, como
afirma ele:

...é o equilíbrio atingido em um sistema quando todas as transformações possíveis
foram realizadas e não existe mais nenhuma força; todos os potenciais se
atualizaram e, tendo atingido seu mais baixo nível energético, o sistema não pode
se transformar novamente (Simondon, 1964, p.06).

Nas antigas concepções do ser só havia o estável e o instável, o movimento
e o repouso, a metaestabilidade não lhes era conhecida. Segundo a perspectiva
de Simondon, este conceito se deve muito à ciência.
Então, Simondon propõe tomar a gênese dos cristais como paradigma do
processo de individuação. A individuação cristalina não resulta do encontro
entre uma forma e uma matéria prévias, constituídas anterior e separadamente,
mas antes, uma resolução que surge no seio de um sistema metaestável rico
em potenciais: “forma, matéria e energia preexistentes em um sistema”
(Simondon, 1964, p.08). Para o princípio de individuação forma e matéria
não bastam, já que o verdadeiro princípio de individuação é a mediação, que
pressupõe a dualidade original de diferentes ordens de grandeza, onde não
há, de início, comunicação interativa entre elas, mas só a posteriori quando as
diferentes ordens de grandeza se estabilizam.

Quando a energia potencial de um sistema se atualiza uma matéria se
ordena e se reparte, gerando indivíduos estruturados numa ordem mediana,
desenvolvendo-se por um processo mediato que se amplia. Podemos dizer
que essa individuação produz-se de modo instantâneo, brusco e definitivo,
porque ela se limita ao primeiro estágio da individuação, o estágio do ser préindividual.

No domínio físico é a ressonância interna que caracteriza o limite do indivíduo
ao individuar-se. A estrutura interna do cristal resulta somente da atividade
que é efetuada e da modulação operada no limite entre o exterior e o
interior. Isso quer dizer que o indivíduo físico é absolutamente descentrado,
periférico em relação a si mesmo, ativo nos limites de seu domínio, esse indivíduo
não possui uma interioridade verdadeira. Já o vivo tem interioridade,
pois a individuação realiza-se dentro, como explica Simondon: “no indivíduo
vivo, o interior também é constituinte, enquanto no indivíduo físico só o
limite é constituinte, e o que é topologicamente interior é geneticamente anterior”
(Simondon, 1964, p.10). O vivo, em todos os seus elementos, é contemporâneo
de si mesmo, ao passo que no indivíduo físico há um passado
radicalmente passado, mesmo quando ainda está em crescimento, como afirma
o autor: “O vivo é, em seu próprio interior, um núcleo de comunicação
informativa; ele é sistema em um sistema, que comporta em si mesmo mediação
entre duas ordens de grandeza” (Simondon, 1964, p.10).
Assim, a concepção do ser em Simondon não repousa sobre a unidade de
identidade mas, antes, sobre a unidade transdutora. Isso quer dizer que o ser
pode se defasar nele mesmo, transbordar-se de um lado e de outro de seu
centro. O que é chamado de relação ou dualidade de princípios são escalas ou
graus do ser, que é mais que unidade e identidade. Nesse sentido, afirma
Simondon: “o devir é uma dimensão do ser, não o que lhe advém consoante
uma sucessão que seria sofrida por um ser primitivamente dado e substancial”
(Simondon, 1964, p.16). A individuação é, pois, devir do ser e não modelo
do ser que esgotaria sua significação. O ser individuado não é nem todo o
ser, nem o ser primeiro.
Simondon propõe-nos apreender o ser individuado a partir do princípio
de individuação e a individuação segundo o ser pré-individual ao invés de
apreender a individuação a partir do ser individuado.

O ser pré-individual dispensa a vigência dos princípios lógicos de identidade
e do terceiro excluído porque tais princípios só se aplicam ao ser
individuado. O princípio de individuação reclama, segundo Simondon, a
operação de transdução:Por transdução entendemos uma operação física, biológica, mental, social, pela
qual uma atividade se propaga gradativamente no interior de um domínio,
fundando esta propagação sobre a estruturação do domínio operado de região em
região: cada região de estrutura constituída serve de princípio de constituição à
região seguinte, de modo que uma modificação se estende progressivamente ao
mesmo tempo que esta operação estruturante. (Simondon, 1964, p.18).

A operação transdutora corresponde, ela própria, à individuação em desenvolvimento.

No domínio físico ela se efetua sob a forma de repetição
progressiva, mas em domínios mais complexos como o vital, por exemplo,
em razão da metaestabilidade, a operação transdutora adquire constante
variação, estendendo-se a domínios heterogêneos. No domínio físico, um
exemplo simples da operação transdutora é o cristal. A partir de um germe
muito pequeno, um cristal aumenta e cresce em todas as direções em sua
água-mãe. Cada camada de molécula constituída serve de base estruturante
para a camada que está se formando e o que resulta de tudo isso é uma estrutura
em forma de rede ampliada. No processo de transdução vital, encontramos
o princípio de individuação orgânica. Há transdução quando as
atividades, funcional e estrutural, partem do centro do ser e se estendem em
diversas direções, como se múltiplas dimensões do ser surgissem ao redor
desse centro. A transdução, neste caso, corresponde à descoberta de dimensões
a partir das quais se define uma problemática. A transdução pode ser
utilizada em todos os domínios da individuação e manifesta a gênese das
relações que se fundam sobre o ser.

Ontogênese e Topologia

A fim de aprofundarmos um pouco a pesquisa do princípio de individuação
de Simondon é importante introduzirmos a topologia no domínio da
individuação vital. Simondon sugere que se aborde as configurações
topológicas do vivo a partir do próprio espaço em que ele se desenvolve e em
função da relação que existe entre um meio interior e um meio exterior. Para
o vivo a condição topológica parece ser essencial, como afirma o autor:

Se existisse um conjunto de configurações topológicas necessárias à vida,
intraduzíveis em termos euclidianos, deveríamos considerar insuficiente qualquer
tentativa de fazer um vivo com a matéria elaborada pela química orgânica; talvez
a essência do vivo seja uma certa ordenação topológica que não se pode conhecer
a partir da física e da química, utilizando geralmente o espaço euclidiano
(Simondon, 1964, p.259).
Um exemplo elucidativo a propósito da condição topológica do vivo é a
membrana, porque a membrana viva caracteriza-se precisamente por ser aquilo
que separa o interior do exterior. A membrana polarizada permeia os movimentos
centrípetos e centrífugos de um corpo. A membrana é viva porque ela
sempre se repolariza. Uma membrana inerte rapidamente seria reconduzida
ao estado neutro, mas a membrana seletiva, viva, conserva suas propriedades
regenerando-se. É ela que possibilita a diferenciação entre a individuação física
e a vital, essencialmente, porque ela é seletiva. É ela que separa o meio
interior do meio de exterioridade.
Para Simondon, o vivo vive no limite de si mesmo, sobre seu limite, e é
precisamente em relação a este limite é que há duas direções: uma para dentro
e outra para fora, mesmo no organismo mais simples e unicelular. O organismo
mais simples chamado elementar não possui um interior imediato, mas somente
um interior e um exterior absoluto. “Para este organismo a polaridade característica
da vida está no nível da membrana; é neste terreno que a vida
existe de modo essencial, como um aspecto de uma topologia dinâmica que
mantém, ela própria, a metaestabilidade pela qual ela existe” (Simondon, 1964,
p.261). Se a vida é um processo de autoconservação dessa metaestabilidade
que exige uma condição topológica, então, pode-se dizer que estrutura e função
estão intimamente ligadas porque a estrutura vital mais primordial e mais
profunda é topológica.

O espaço interno do cristal não sustenta o prolongamento da individuação,
porque esse prolongamento se faz nos limites do cristal em estado de crescimento.

O interior e o exterior existem em cada camada molecular, isto é, na
camada molecular já depositada em camadas em estado de decomposição. Se
retirássemos de um cristal uma parte importante de sua substância não interromperíamos,
contudo, seu crescimento, porque o interior é separado do
exterior ou de seu limite de polaridade. Isso quer dizer que o interior não se
mistura ou não é contemporâneo do exterior. É como se o interior fosse um
passado em relação ao exterior, como afirma o autor:

...para que o cristal se individue é necessário que continue a crescer, esta individuação
é peculiar, em sua massa o passado não serve para nada, tem apenas um papel bruto
de sustentação, não manifesta a disponibilidade de um sinal de informação: o tempo
sucessivo não é condensado (Simondon, 1964, p.263).

No vivo, o espaço de interioridade, com seu conteúdo, tem um papel na
continuação da individuação. Se há ressonância é precisamente porque o que
foi produzido no passado, através da individuação, faz parte do conteúdo do
espaço interior, como explica o autor:
...todo o conteúdo do espaço interior está topologicamente em contato com o
conteúdo do espaço exterior sobre os limites do vivo; não há, de fato, distância em
topologia; toda a massa de matéria viva que está no espaço interior está presente
ativamente no mundo exterior sobre os limites do vivo: todos os produtos da
individuação passada estão presentes sem distância e sem atraso. (Simondon,
1964, p. 263).

Para fazer parte do meio de interioridade não basta somente estar dentro
no sentido euclidiano mas, antes, estar do lado interno do limite, sem atraso,
sem isolamento e sem inércia. O vivo não interioriza somente ao assimilar,
mas também condensa e sustenta tudo o que foi elaborado na sucessão.

O fato de uma substância viva encontrar-se no interior da membrana polarizada
seletiva quer dizer que ela foi absorvida no passado condensado. E se
uma substância está no exterior quer dizer que ela pode advir, ser colocada
em assimilação, lesar o indivíduo vivo: “ela está por vir” (Simondon, 1964, p.
263). É precisamente no nível da membrana polarizada que passado interior
e futuro exterior se afrontam; o presente do vivo é essencialmente este
afrontamento na operação de assimilação seletiva. O presente vivo se faz através
dessa polaridade da passagem e da recusa entre substâncias passadas e
substâncias por vir, que se confrontam no processo de individuação. A
metaestabilidade da relação entre o interno e o externo, isto é, passado e
futuro é aquilo que caracteriza precisamente, para o vivo, o presente. É em
razão desta operação alagmática, isto é, essa operação de troca, que o externo
é externo e o interno é interno .

O Plano das Intensidades em Deleuze

A partir das hipóteses de Simondon, acerca do princípio de individuação,
Deleuze elabora sua própria concepção de individuação.
O campo intensivo de individuação simondoniano configura, em Deleuze,
um meio pré-individual, virtual, no qual se encontram diferenças de intensidade.
Por isso Deleuze se refere ao primado metodológico da embriologia,
segundo o qual o ovo e o embrião constituem um meio intensivo de matérias
não formadas, que Deleuze denomina plano de consistência5 . O embrião, como
sugere Sauvagnargues a propósito de Deleuze: “...é um sujeito larvar, uma
massa material capaz de suportar grandes modificações, um tecido informalsuscetível de atualizar um grande número de formas” (Sauvagnargues, 2004,p. 145).

O embrião comporta movimentos, dobras e tensões, ele indica
dramatizações espaciotemporais, diferençações locais.

A individuação produz a diferenciação como seu resultado: a gênese real
não vai de um universal abstrato à espécie possível, ao indivíduo existente,
mas antes, atualiza um campo problemático virtual, intensivo e real em indivíduos
diferenciados. Nesse sentido, Deleuze aproxima a perspectiva
embriológica de Geoffroy Saint-Hilaire ao princípio de individuação de
Simondon: trata-se de passar da individuação física e vital, introduzida por
Simondon, para a diferenciação cinemática dos materiais.

O ovo vital, campo intensivo de individuação, comporta dois momentos
de uma física das diferenças intensivas: a diferença virtual e a diferença atual. A
diferença virtual assinala a diferençação ideal, perfeitamente consistente. A diferença
atual descreve a diferenciação, ou a individuação, pela qual as diferenças
virtuais tomam a forma de um indivíduo diferençado6 . O ovo nos fornece
o modelo da ordem das razões, pois ele comporta simultaneamente a diferenciação,
a individuação, a dramatização, a diferençação específica e orgânica.
No que diz respeito à diferença de intensidade, tal como implicada no ovo,
essa diferença exprime, inicialmente, relações diferenciais como uma matéria
virtual a ser atualizada.

Um campo problemático de singularidades virtuais, mas reais e diferenciadas,
se atualiza resolvendo sua disparidade inicial, como afirma
Sauvagnargues: “é a individuação que se organiza, se estabiliza, se estratifica
se diferençando” (Sauvagnargues, 2004, p.146). Pode-se assinalar a ressonância
do princípio de individuação de Simondon em Deleuze quando ele
afirma que: “É sob a ação do campo de individuação que tais relações diferenciais
e tais pontos notáveis (campo pré-individual), se atualizam” (Deleuze,
2006, p.347). Mas podemos também reconhecer aqui uma filiação de Deleuze
às teses de Bergson, quando ele propõe que uma tal organização: “... se atualiza,
isto é, se organiza segundo linhas diferenciais” (Deleuze, 2006, p.347). A
idéia virtual e problemática comporta diferenças singularizadas sobre o plano
virtual e se atualiza se diferenciando.


Portador de dinamismos espaciotemporais em vias de organização, o embrião
é, pois, o primeiro modelo de um corpo desprovido de órgãos, corpo
não moldado, pela imagem de uma organização estática, fixada por uma espécie
ou indivíduo adulto e formado. O embrião recebe os três caracteres do
esboço, da intensidade e da passividade ou não resistência às transformações;
informal, ele admite todo tipo de variações. O embrião presentifica justamente
o momento do corpo que se encontra antes da representação orgânica. Ele
contém eixos, vetores, zonas, movimentos e tendências dinâmicas em relação
às quais as formas são pura contingência ou meros acessórios. O embrião
possibilita, pois, pensar a diferençação, a individuação orgânica em devir. Na
medida em que o embrião é tão-somente um esboço, os movimentos de
diferençação orgânica constituem o surgimento das formas específicas. Nesse
sentido, afirma Deleuze:

...o embrião não reproduz formas adultas ancestrais pertencentes a outras espécies,
mas experimenta e sofre estados, empreende movimentos que não são viáveis
especificamente, que ultrapassam os limites da espécie, do gênero, da ordem ou
da classe, e que só podem ser vividos por ele, nas condições da vida embrionária
(Deleuze, 2006, p.352).

Desse modo, Deleuze retoma o projeto de Nietzsche: “definir o corpo em
devir, em intensidade, como potência de afetar e de ser afetado, ou seja, Vontade
de potência” (Deleuze, 2004, p. 149). A atividade da vontade é substituída,
por Deleuze, pela metamorfose do corpo sem órgãos: “...corpo afetivo, intensivo,
anarquista, que só comporta pólos, zonas, limiares e gradientes”
(Deleuze, 2004, p.148).
Essa concepção intensiva do corpo constitui, pois, uma nova concepção
do domínio biológico. À maneira empirista, o indivíduo precede, de direito, a
espécie e deve ser compreendido como um embrião em seu campo de
individuação intensiva, como o próprio ovo vital. Os conceitos genéricos de
espécie e de organismo adulto são meras formas, surgem posteriormente durante
o processo de individuação. Desse modo, a produção de um corpo sem
órgãos pode ser concebida ao conduzir a diferençação específica e orgânica
em direção a diferenciação cinética intensiva dos materiais pré-corporais. Os
órgãos, as espécies, os indivíduos e as partes só existem enquanto resultados
parciais e precários dessa diferenciação vital. Nesse sentido, afirma Deleuze:
Consideramos que a diferença de intensidade, tal como está implicada no ovo, exprime
antes de tudo relações diferenciais como uma matéria virtual a ser atualizada. Este
campo intensivo de individuação determina que as relações que ele exprime se encarnem
em dinamismos espaciotemporais (dramatização), em espécies que correspondem a
essas relações (diferençação específica), em partes orgânicas que correspondem aos
pontos notáveis dessas relações (diferençação orgânica). É sempre a individuação que
comanda a atualização: as partes orgânicas só são induzidas a partir dos gradientes de
sua vizinhança intensiva; os tipos só se especificam em função da intensidade
individuante. A intensidade é sempre primeira em relação às qualidades específicas e às
extensões orgânicas. (Deleuze, 2006, p. 352).

Deleuze valoriza as formas involutivas e o sujeito larvar, embrionário. A
larva ou o embrião constituem a materialidade virtual a se atualizar. A diferenciação
é, pois, verdadeira criação, élan vital bergsoniano que pode, a partir
de Deleuze, evoluir ou involuir: involução criadora deleuziana. A larva é um
modo inacabado ou uma indeterminação imatura do indivíduo ou forma adulta.

A larva, ou embrião, designa um modo de individuação real através da
qual uma entidade se atualiza, sem se assujeitar às transcendências da forma
ou do sujeito, como afirma Deleuze: “Não há mais formas [pré-existentes],
mas relações cinemáticas entre elementos não formados; não há mais sujeitos
mas individuações dinâmicas sem sujeito” (Deleuze, 1998, p.109). As larvas
constituem uma matéria informal variável, uma modulação intensiva das forças,
uma matéria intensa e não formada que ainda não se configurou enquanto
composição estável, apresentando, portanto, um coeficiente mínimo de
organização, como afirma Deleuze:

A verdade da embriologia é que há movimentos vitais sistemáticos,
escorregamentos, torsões que só o embrião pode suportar: o adulto sairia
dilacerado. Há movimentos dos quais só se pode ser paciente, mas o paciente,
por sua vez, só pode ser uma larva (Deleuze, 2005, p.173-174)
Deleuze privilegia o informal e valoriza, na individuação, o primeiro momento
do ser, o momento pré-individual. O primado do informe caracteriza,
em Deleuze, uma filosofia das forças, uma capacidade metamórfica do pensamento
para atingir a variação dos devires e a potência germinativa da vida.
Somos constituídos de profundidades e distâncias, almas intensivas que
se desenvolvem e se reenvolvem, um conjunto de intensidades envolventes e
envolvidas, de diferenças individuantes e individuais, que não param de penetrar-
se entre si.

A individuação pensada sob a perspectiva desses dois pensadores: Simondon
e Deleuze, propõe-nos um novo horizonte de problemas, no qual o ser ou o
sujeito são pensados a partir do princípio de individuação e não a individuação
a partir do ser ou do sujeito. Através da individuação o indivíduo ou ser se
constituem, mas não são, nem o primeiro momento do ser, nem o ser primeiro,
mas somente uma fase do ser que se constitui num campo próprio à
individuação, no campo pré-individual no qual as intensidades e os fluxos, as
diferenças móveis e comunicantes não cessam de se envolver e de serem envolvidas,
constituindo, pois, as potências vitais em germe.


Referências Bibliográficas

Deleuze, Gilles. Diferença e Repetição. Tradução revista de Luiz Orlandi e
Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2006.
______. A ilha deserta. Edição preparada por David Lapoujade. Organização
da edição brasileira e revisão técnica de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo:
Iluminuras, 2006.
______. Crítica e Clínica. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed.34,
2004.
Deleuze, Gilles; Parnet, Claire. Diálogos. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro.
São Paulo: Escuta, 1998.
______. Francis


About this blog

Blog formado por estudantes abordando temas culturais como cinema, filosofia, música, tecnologia, arte, etc.

Labels

Que tipo de posts mais te interessa ?

Que tipo de filme você mais gosta ?

Search

Blog archive

Google+ Badge

Popular Posts

Ocorreu um erro neste gadget

Blog Archive